" /> Kaya Scodelario para L’Officiel | Kaya Scodelario for L’Officiel | Kaya Scodelario Brasil

Voltar para o início

PORTUGUÊS

Com dois filmes, uma série da Netflix e sendo um novo rosto da Cartier, Kaya Scodelario já tem uma longa carreira a frente e ela não para por aí. 

Na suíte do Ritz, Kaya Scodelario combina um pouco entre as molduras e poltronas em cetim azul: algo em seu gesto e em seu chapéu quase aristocráticos se misturam muito bem com a decoração, mas seu olhar diz outra coisa. Bruto, quase severo. Sem línguas.

Desde a série britânica Skins, onde ela interpreta Efy, a adolescente nervosa que fascinou todas as meninas de sua idade, Kaya Scodelario sempre está onde não esperamos. Catherine em uma adaptação independente de O Morro dos Ventos Uivantes (2011), heroína rebelde da Disney nos últimos Piratas do Caribe (2017), sobrevivente na saga Maze Runner (2018). Com apenas 27 anos, a bela anglo-brasileira já tem 16 longas-metragens, um casamento e um filho, e ela não planeja desacelerar. Este ano, ela move o cursor novamente com Ted Bundy: A Irresistível Face do Mal, a cinebiografia de Joe Berlinger, sobre o serial killer Ted Bundy, que estreou na Netflix. Ela interpreta Carol Ann Boone, a última esposa do assassino antes de ele ser executado em 1989 na Flórida, e ficou grávida no corredor da morte. Para se preparar para o papel, Kaya assistiu as raras entrevistas com Carol Ann: “Ela desapareceu voluntariamente após a execução do marido, nunca pude falar com ela. É complicado porque eu tinha uma responsabilidade com ela, eu tinha que representá-la honestamente. Com os arquivos, eu pude aprender seus gestos e entender sua voz.” Ela também conheceu várias mulheres apaixonadas por criminosos enquanto estavam atrás das grades ” Eles sempre me fascinaram, há algo tão humano lá dentro.”

Ao assumir esse papel, a atriz queria fazer algo diferente. Ainda mais surpreendente: vê-la no elenco do filme de terror Predadores Assassinos, o novo OVNI de Alexandre Aja, nos cinemas em julho, onde ela confronta jacarés em uma casa perdida na Flórida: “Queria que meu filho visse um filme onde eu não beijo ninguém, onde eu não sou a mulher nem a namorada de alguém e sim onde eu luto.” A atriz tem coisas a dizer sobre o lugar das mulheres em Hollywood, e ela pode ser uma das que mudarão o jogo no futuro. “Eu quero produzir. Sempre foi meu sonho. Conheço tantas mulheres que têm as idéias, o talento e as habilidades, mas a quem fechamos as portas. Eu gostaria de trabalhar com elas, criar algo de A a Z.”

Kaya Scodelario tem as idéias no lugar, os princípios também. Até agora, ela nunca havia emprestado oficialmente sua imagem a uma marca. Este ano, ela finalmente decide se envolver com Cartier. “Eu queria ter certeza de aderir à ética da empresa. Acho muito importante.” Após o lançamento de Clash em Paris, a nova linha de joias da Cartier que ela encarna, ela volta a treinar para patinar no gelo em Spinning Out, uma nova série da Netflix onde ela interpreta uma jovem patinadora artística.

É a primeira vez em quase dez anos que ela volta a fazer uma série. “As coisas mudaram muito. Eu estava bastante preocupado com o ritmo das filmagens, mas finalmente gostei muito de ter entrado. Tenho a sorte de ser bastante intuitiva.” Ela deve isso à Skins em 2007, onde interpretava uma adolescente. Um exercício de dois gumes para uma menina de 14 anos. “Eu vivi isso por um longo tempo. Foi o caso de todos os atores. Interpretamos adolescentes de nossas idades que se apaixonaram e ficaram com o coração partido e vivemos a mesma coisa. Provavelmente foi um pouco terapêutico. De qualquer forma, isso me ajudou a desenvolver um jogo muito frontal.” Desde então, a equipe Skins assumiu a liderança. Nicholas Hoult tornou-se
o Fera dos X-Men, Dev Patel encadeou os prêmios, incluindo Quem Quer Ser um Milionário? e Lion: Uma Jornada Para Casa, e Daniel Kaluuya está em toda parte: Black Mirror, Get Out, Pantera Negra. Acreditar que dominar o papel do adolescente comum pode levar muito longe. E ensinar fortes valores humanos. Dez anos depois, eles conversam todos os dias e se reúnem o mais rápido possível. Manter os pés no chão em Hollywood nunca foi fácil, Kaya Scodelario certamente entende.

ENGLISH

Featuring two films, a Netflix series and a new Cartier face, Kaya Scodelario already has a long career behind her and does not stop there. Meeting between two planes and an ice skating class.

In this suite of the Ritz, Kaya Scodelario, a little detuned among the moldings and armchairs in blue satin: something in his gestures and in hers port of almost aristocratic head blends very well with the decor, but his look says something else . Brute, almost severe. Without language of wood.

Since the English series Skins, where she played Efy, the nervous teenager who fascinated all girls of her age, Kaya Scodelario is still where we do not expect. Catherine in an underground adaptation of Wuthering Heights (2011), Disney rebel heroine in the last Pirates of the Caribbean (2017), survivor torn in the saga The Maze Runner (2018). At just 27, the beautiful Anglo-Brazilian already has 16 feature films, a marriage and a child on the clock, and she has not planned to slow down. This year, she moves the cursor again with Extremely Wicked Shockingly Evil and Vile, Joe Berlinger’s biopic, on serial killer Ted Bundy, who is just coming out on Netflix. She plays Carol Ann Boone, the murderer’s last wife before he was executed in 1989 in Florida, and became pregnant while on death row. To prepare for the role, Kaya sees rare interviews with Carol Ann: “She voluntarily disappeared after her husband’s execution, I was never able to talk to her. It’s complicated because I had a responsibility to her, I had to represent her honestly. With the archives, I could learn her gestures and understand her voice.” She also met several women who were infatuated with criminals while they were behind bars: “They have always fascinated me, there is something so human in there.”

In taking on this role, the actress wanted to do something different. Even more surprising: see her at the casting of the horror film Crawl, Alexandre Aja’s new UFO, in theaters in July, where she confronts alligators in a lost house in Florida: “I wanted my son to see a movie where I do not kiss anyone, where I am neither the woman nor the girlfriend of someone. And where I fight.” The actress has things to say about the place of women in Hollywood, and she could be one of those who will change the game in the future. “I want to produce. It has always been my dream. I meet so many women who have the ideas, the talent and the abilities, but to whom we close the doors. I would like to work with them, build something from A to Z.”

Kaya Scodelario has the ideas in place, the principles as well. Until now, she had never officially lent her image to a brand. This year, she finally chooses to engage with Cartier. “I wanted to be sure to adhere to the ethics of the company. I find it very important.” After the launch of Clash in Paris, the new line of Cartier jewelery that she embodies, she goes back to train for the ice skates for Spinning Out, a new Netflix series where she plays a young figure skater.

This is the first time in almost ten years that it returns to the serial format. “Things have changed a lot. I was quite worried about the pace of filming but finally I really enjoyed being thrown right in. I’m lucky enough to have a fairly intuitive game.” She owes it to Skins in 2007, where she was playing a teenager. A double-edged exercise for a 14-year-old girl. “I have lived through it for a long time. It was the case of all the actors. We played teens of our ages who fell in love and were heartbroken and we lived the same thing. It was probably a little therapeutic. In any case, it helped me develop a very frontal game.” Since then, the Skins team has taken the lead. Nicholas Hoult became the Beast of the X-Men, Dev Patel has chained the awards, including Slumdog Millionaire and Lion, and Daniel Kaluuya is everywhere: Black Mirror, Get Out, Black Panther. To believe that mastering the role of the average teenager can lead very far. And teach strong human values. Ten years later, they talk to each other every day and get together as soon as possible. Keeping feet on the ground in Hollywood has never been easy, Kaya Scodelario has certainly understood it.

Matéria: L’Officiel | Tradução e adaptação em ambos os idiomas: Equipe Kaya Scodelario News
Article: L’Officiel | Translation and adaptation in both languages: The Kaya Scodelario News Team

Nome: Kaya Scodelario Brasil
Sigla: KSBR
Online desde: 26/01/2020
Webmiss: Beatriz Frazão
Hospedagem: Flaunt.nu
Design: Uni Design

|

The Pale Horse
Status: Disponível na BBC One
Personagem: Hermia
Lançamento: 2020

Spinning Out
Status: Disponível na Netflix
Personagem: Kat Baker
Lançamento: 2020

Crawl
Status: Disponível em DVD, Blu-Ray e streaming
Personagem: Haley
Lançamento: 2019

Voltar para o início
Kaya Scodelario Brasil Todos os direitos reservados