" /> Hollywood Life – Kaya Scodelario fala sobre a jornada de Kat | Kaya Scodelario Brasil

Voltar para o início

O HollywoodLife conversou EXCLUSIVAMENTE com Kaya sobre a mentalidade de Kat após sua terrível lesão na patinação no gelo e sua jornada para superar seu “TEPT grave”. Kaya discutiu o tumultuado relacionamento de Kat com sua mãe, Carol (January Jones), e como isso afeta seu relacionamento com sua irmã, Serena (Willow Shields). Kaya também narrou seu treinamento de patinação artística e revelou que ela realmente desabou o arco nos calcanhares durante o treinamento. Confira nossas perguntas e respostas abaixo.

Kat sofreu uma lesão realmente traumática e está tentando retomar sua carreira no gelo. Me fale sobre o que a está segurando. É mais do que apenas medo?
Eu acho que ela está lidando com um problema de saúde mental complexo. Ela está lidando com TEPT grave desde o incidente. Eu acho que ela sente que se decepcionou e, em vez de admitir para si mesma que é mais forte que isso e que ela pode superar isso e que pode acontecer com qualquer pessoa, ela se culpa. Eu acho que ela está realmente petrificada, mas ela ainda tem esse amor eterno por patinar. É como ela diz, é como respirar para ela. É o que ela sabe que pode fazer, sabe que é boa e sabe que ama. Então, quando a encontramos, ela está realmente tentando equilibrar essas duas coisas. Ela era uma atleta que poderia estar no topo de seu jogo, mas por causa desse incidente, ela sente que isso é inatingível. Nós seguimos a jornada com ela, como queremos que ela queira isso de novo e lute novamente e supere.

Há uma cena no trailer entre Kat e sua mãe, em que sua mãe diz a ela que ela acabou de desperdiçar potencial. O que você pode dizer sobre o relacionamento de Kat com a mãe e como ele evoluirá ao longo da temporada?
Eu acho que é um relacionamento muito complicado, que é o que eu mais amo nele. Eu odeio ver esse tipo de relação de mostrar e contar entre mães e filhas, porque eu sei, pessoalmente, que esse não foi o caso. Há uma beleza em um relacionamento mãe-filha, pois isso pode ser complicado e você nem sempre é a melhor amiga e às vezes fica meio que na garganta um do outro. Carol e Kat nunca se deram muito bem. Kat sente como se Carol sempre a pressionasse e também a culpasse por não ter conseguido uma carreira. Mas no final das contas, que tipo de discussão essas duas mulheres são que elas se amam e que precisam uma da outra. Ninguém mais no mundo entende as circunstâncias em que elas se encontram, somente as duas. Kat está tentando deixar de ser uma boa irmã para sua irmã, mas, ao mesmo tempo, com um ciúme e uma tristeza muito naturais de que sua irmã agora está seguindo o caminho que ela poderia seguir. No centro disso está uma história de três mulheres, como elas são familiares e como, por mais difíceis que sejam as coisas entre elas e o quanto elas batem de cabeça, elas precisam estar lá uma para a outra e depois precisam se encontrar no final.

Eu sinto que, com mães e filhas, elas têm a capacidade de se pressionar de maneiras que ninguém mais em suas vidas pode, especialmente em uma situação como essa. Com Serena, obviamente há muito amor entre essas três mulheres, mas onde Serena se encaixa nessa dinâmica?
Eu acho que ela está definitivamente no meio. Para mim, uma das histórias que eu acho mais comovente é a história dela, porque ela é uma menina. Ela tem 16 anos e está apenas tentando ser uma adolescente normal. Ela tem talento nesse esporte e dedica horas e horas e horas de sua vida nele. Ela viu sua irmã mais velha ser ótima e também e a viu falhar terrivelmente. Mas fora do esporte, ela também vive com essas duas e as conhece de dentro para fora, e provavelmente não é o melhor ambiente para ela. Ela não tem outra saída além de patinar, e acho que Kat se sente muito protetora por ela ter passado por isso também. Ela sabe como é ter a patinação como seu mundo e ter poder sobre sua mãe. Eu não tenho irmãos, mas quando conheci Willow, meio que nos cansamos como irmãs, e ela agora é minha irmã, quer ela goste ou não. Eu me tornei super protetora durante as filmagens, quase instintivamente. Eu sempre me certificaria de que ela estivesse bebendo água o suficiente, comendo, dormindo bem, e que ela estivesse confortável com todos ao seu redor e ninguém a estivesse perturbando. Eu tenho esse desejo de apenas querer cuidar dela, porque eu me via nela quando tinha 18 anos nos meus primeiros sets de filmagem e navegando na loucura disso. Acho que Kat também se sente assim com Serena. Ela é protetora dela, mas uma irmã de 16 anos é provavelmente muito chata.

Que tipo de treinamento você fez e o quanto vemos de você no gelo?
Comecei, mas no nível mais baixo possível. Quero dizer, eu era a pessoa que diria: “Oh, eu quero patinar no mercado de Camden.” E depois passar o tempo todo segurando as barreiras e movendo-se no ritmo de um caracol ao redor da pista. Então, eu tenho um longo caminho a percorrer. Mas eu tinha um treinador incrível aqui em Londres, com quem fazia uma hora todos os dias por algumas semanas antes de viajar para o Canadá para iniciar a pré-produção. Ela basicamente me colocou em pé com dois pés no meio da pista. Então, quando cheguei ao Canadá, tivemos três semanas de pré-produção e uma programação de skate muito intensa. Fazíamos de quatro a seis horas por dia na pista de gelo com a treinadora Sarah Kawahara, que é incrível. Ela fez Eu, Tonya e A Glória dos Campeões. Ela é o tipo de pessoa certa para isso. Ela realmente só me ajudou a me concentrar nos meus medos. Eu sou uma daquelas pessoas que não gosta de fazer algo se não é bom nisso, porque fico muito insegura de que todo mundo vá rir de mim. Ela meio que me fez sair da minha própria cabeça e me concentrar. Foi ótimo trabalhar com Evan [Roderick] também, porque ele já havia patinado antes. Ele jogou hóquei e agora estou aprendendo que todo canadense sabe instintivamente patinar. Mas ele realmente me ajudou e foi muito paciente comigo. Fizemos muito treinamento antes. Na verdade, eu desmoronei o arco nos calcanhares durante o treinamento porque tenho articulações hipermóveis e não sabia porque estávamos fazendo tantas horas e eu estava me esforçando tanto que minha mentalidade era como: “O que você está fazendo? Isso não é normal.” Então eu tive que superar isso. Mas a produção foi realmente muito boa com isso e acabamos de treinar bastante.

Falando em Evan, há a dinâmica de Justin de tudo. Kat decide voltar ao gelo para patinar em dupla. O que você pode dizer sobre a dinâmica deles enquanto eles trabalham juntos ao longo da temporada?
Eles se conhecem porque treinam na mesma pista. Eu acho que Justin tem um pouco de reputação. Ele é o tipo desse cara, você revira os olhos e o vê rindo com os caras. Lentamente, percebemos que a patinação é realmente importante para ele. Eu acho que Kat reconhece isso. Há um momento decisivo em que ela sabe que ele é realmente bom e que ele também tem algo especial. Eles podem não fazer sentido no papel, mas algo acontece quando patinam juntos, quando trabalham juntos. Isso é o que há de tão especial na patinação em dupla. É essencialmente como um casamento. Você está treinando todos os dias com alguém. Você está passando por altos e baixos com essa pessoa. Você precisa ter um tipo de comunicação tácita, uma maneira de se entender completamente. Kat está tentando construir isso. Ela realmente quer ir para lá e, a princípio, Justin não está tão interessado em construir isso. Ele gosta de manter as pessoas à distância. À medida que progridem, começamos a aprender o porquê. Eu acho que a história é realmente adorável.

Matéria: Hollywood Life | Tradução e adaptação: Equipe Kaya Scodelario Brasil

Nome: Kaya Scodelario Brasil
Sigla: KSBR
Online desde: 26/01/2020
Webmiss: Beatriz Frazão
Hospedagem: Flaunt.nu
Design: Uni Design

|

The Pale Horse
Status: Disponível na BBC One
Personagem: Hermia
Lançamento: 2020

Spinning Out
Status: Disponível na Netflix
Personagem: Kat Baker
Lançamento: 2020

Crawl
Status: Disponível em DVD, Blu-Ray e streaming
Personagem: Haley
Lançamento: 2019

Voltar para o início
Kaya Scodelario Brasil Todos os direitos reservados