" /> Kaya Scodelario para a InStyle | Kaya Scodelario Brasil

Voltar para o início

Kaya Scodelario é ao mesmo tempo incrivelmente aberta e incrivelmente educada. Quando falamos ao telefone, a primeira coisa que ela faz é me agradecer por ter tempo para conversar com ela, antes de começar uma conversa repleta de palavrões casuais, abordando-me como se eu fosse sua melhor amiga. Ela me chama de “amor” tantas vezes que quase parece que nos conhecemos há anos – como se ela estivesse ligando do outro lado do quarteirão, e não de Londres, onde foi criada e onde atualmente trabalha com o marido Benjamin Walker e o filho de três anos.

“É onde estão todos os meus amigos e familiares e meu cachorro,” diz ela. “Adoro poder mergulhar na vida de Hollywood e Los Angeles e depois voltar para casa para o pub.”

É fácil imaginar poder sentar-se com Scodelario com uma cerveja no final de um longo dia, exalando, trocando fofocas e rindo. Há uma energia realista que ela carregava desde seu avanço como Effy Stonem em Skins, o drama adolescente britânico que foi de 2007 a 2013 e lançou sua carreira, bem como as de Nicholas Hoult, Daniel Kaluuya e Dev Patel, entre outros.

Ainda assim, Scodelario, que foi criada falando português por sua mãe solteira brasileira, diz que inicialmente não tinha muito em comum com a garota legal por quem ficou famosa por interpretar.

“No começo, eu era o oposto de Effy, eu era tão tímida e nunca saía de casa, estava tentando ser uma adulta, cuidar da minha mãe e cuidar dos meus amigos,” diz ela. “E então, nas temporadas posteriores, quando entramos na depressão dela, foi quando percebi que havia coisas acontecendo que eu precisava resolver também. E recebi tantas mensagens maravilhosas de pessoas dizendo que isso as ajudou a entender uma parte de si ou pelo menos questionar uma parte de si. E esses são os tipos de papéis que quero desempenhar. Eu quero que isso importe.”

Nos anos seguintes, ela fez uma transição perfeita da TV para o cinema em uma série de projetos grandes e pequenos: a trilogia Maze Runner, a quinta parte da série Piratas do Caribe e, mais recentemente, um papel como ex de Ted Bundy em Extremely Wicked, Shockingly Evil and Vile da Netflix. E agora, Scodelario está retornando à TV em sua primeira grande série desde Skins como Kat Baker, uma patinadora do gelo na nova série da Netflix, Spinning Out.

Leia enquanto Scodelario discute em defesa da representação da saúde mental, seus jantares anuais de reunião “Frismas” com o elenco de Skins e sua identidade como uma orgulhosa mulher biracial.

A história é que você fez o teste para Skins aos 14 anos de idade sem nenhuma experiência como atriz. Você pode me falar um pouco mais sobre isso?
Sim, sempre soube que tinha uma profunda paixão por atuar e, desde muito jovem, eu era uma criança muito tímida e quieta, sofria muito bullying. Eu tinha dislexia e nunca encontrei meu lugar no mundo até os 11 anos, quando minha escola produziu Oliver Twist, e eles fizeram o teste de todos os meninos e não deixaram nenhuma das meninas fazer teste para nenhum dos papeis. E fui até a professora e perguntei: “Alguém fez o teste para Oliver?” E eles diziam: “Não, não, você não pode fazer isso. Mas vamos deixar você fazer um teste para um dos meninos do orfanato”. E eles me deram uma frase para dizer, e eu disse o melhor que pude. E então no dia seguinte eles me disseram que eu poderia interpretar Oliver.

Penso que, a partir de então, isso me deu uma sensação de realização, alegria e felicidade, que eu sabia que era o que queria fazer, mas pensei que você tinha que vir de uma família rica, estar conectado de alguma forma ou ser loira e aparência perfeita. Mas tive muita sorte, quando eu tinha 14 anos, estava voltando da escola e eles estavam fazendo audições abertas para Skins perto da minha casa. E parei e olhei, e desejei ter a coragem de entrar. O criador, Bryan Elsley, estava do lado de fora fumando um cigarro na época, e ele falou comigo e perguntou se eu queria entrar e ler. Eu tive muita, muita sorte. Foi assim que tudo começou.

Spinning Out é sua primeira grande série de TV desde Skins. Você estava procurando fazer mais TV quando apareceu?
Sim, é estranho, já se passaram 10 anos [desde que o arco de Effy na série terminou]. Eu realmente gosto de fazer filmes. Eu realmente gosto que todo mundo se concentre intensamente por cinco ou seis meses, e então isso acontece, e está bastante contido nesse sentido que você visita um personagem e depois o deixa. Mas sempre senti falta da agitação da televisão, filmando sete a oito páginas por dia, em vez de uma a duas.

Eu estava lendo scripts diferentes para filmes e TV, e então meu agente me enviou este. Há muito tempo que procuro uma história sobre saúde mental, especialmente transtorno bipolar, pois isso é algo que está muito próximo do meu coração na minha vida pessoal. Eu senti que essa era a melhor representação que eu já tinha visto no papel e sabia que, não importava o que fosse, fosse TV ou filme ou não, eu queria fazer isso. Eu queria dar vida a Kat e queria afundar meus dentes nela e em sua situação.

Sua personagem Kat vive com transtorno bipolar, como você mencionou. Como você se preparou para esse aspecto do papel?
Tenho muita experiência pessoal com familiares e amigos que passaram por diferentes graus de doença mental, e é algo que eu sofri comigo mesma. É fascinante, porque eu sinto que minha geração foi a última geração a não falar abertamente sobre isso. E estou tão admirada com a nova geração que está falando abertamente, e eu acho que é uma coisa ótima.

Eu meio que usei isso como minha principal ferramenta de pesquisa, procurei blogs, procurei vídeos do YouTube, especialmente com ex-patinadores discutindo suas doenças mentais e abuso no mundo atlético. Então, fiz muitas pesquisas online dessa maneira. Conversei com uma instituição de caridade chamada Mind, sediada no Reino Unido, com quem trabalhei há 10 anos, quando estava interpretando Effy e ela teve um colapso. Era muito importante para mim que tentássemos apresentar uma descrição muito honesta da saúde mental. Não apenas o lado maníaco, mas também o dia-a-dia de tomar suas pílulas, em quem você confia o suficiente para conversar sobre isso e todos esses pequenos detalhes que você nem sempre vê. Então, eu realmente fiz o máximo de pesquisa possível. É provavelmente o máximo que eu já pesquisei para um papel antes, porque queria estar totalmente preparada para quando chegasse ao set.

Às vezes, era estranho para mim também. Tentei me certificar de que estava cuidando da minha saúde mental durante as filmagens. Eu tinha minha terapeuta em Londres no telefone sempre que eu precisava dela. Meus melhores amigos passaram algum tempo comigo quando comecei a me sentir bastante pressionada por estar envolvida nesse tipo de papel por tanto tempo. Porque, como atriz, acho que as pessoas esquecem que estamos vivendo essa experiência as vezes, e é importante cuidar de nós mesmos também. Então, tentei me certificar de que chegava em casa à noite e conversava com meus amigos, ou brincava com meu filho, ou tentava me re-canalizar. Porque é exaustivo interpretar alguma crise 12 horas por dia e emocionalmente muito, muito forte para mim.

Você foi capaz de se proteger e evitar ser pressionada quando estava filmando Skins também? Eu sei que você era muito mais jovem na época.
Isso foi em uma época diferente. Provavelmente não. Provavelmente não tanto quanto eu deveria ter. Éramos adolescentes e não estávamos prontos para enfrentar a realidade de nossas situações. E Skins era tão estranho porque estávamos experimentando coisas na vida real enquanto estávamos gravando. Estávamos todos passando por nossos primeiros amores, ou nossos primeiros rompimentos, ou saindo de casa e discutindo com nossos pais, e de repente tentando cuidar de nossas finanças ou encontrar um lugar para morar. E foi extremamente estressante para todos nós. Eu acho que é a razão pela qual muitos de nós ainda somos amigos agora, porque essa experiência foi tão estranha. E agora finalmente conversamos sobre isso – quando jantamos e sentamos, discutimos como nos sentimos no momento em que estávamos filmando.

Em Spinning Out, era realmente importante para mim ter um coordenador de intimidade [alguém que garante o bem-estar de atores que participam de cenas de sexo ou outras cenas íntimas], solicitei um no set porque isso era algo que não existia durante Skins, e eu sei que é algo que realmente teria realmente beneficiado muitos de nós na época.

Skins também continham representações realmente sutis da saúde mental, particularmente com sua personagem, Effy. Você acha que a percepção dos problemas de saúde mental mudou desde o seu tempo em Skins? O estigma diminuiu?
Acho que ainda temos um longo caminho a percorrer, mas é o caso de qualquer coisa que seja importante. Nunca devemos chegar a um ponto em que estamos contentes. Devemos sempre estar pressionando por mais conversas, especialmente com jovens.

Você parece tão natural no gelo em Spinning Out. Como foi sua preparação física para isso?
Oh meu Deus, eu comecei do fundo. Eu era uma daquelas pessoas que pegam a pista de gelo no Natal e se agarram à beira. Faça duas voltas e desça. Acho que nunca estive no meio de uma pista de gelo antes.

Mas eu tinha um treinador incrível aqui em Londres que trabalhou comigo. Treinei durante uma hora todos os dias durante três semanas. Quando cheguei em Toronto, fazíamos de cinco a seis horas por dia com Sarah Kawahara, que é essa incrível instrutora e coreógrafa de patinação. Ela fez Eu, Tonya e Blades of Glory. Ela é assustadora, mas de uma maneira muito boa. Ela realmente deu um chute na minha bunda lá.

Quanto do que vemos é dublê e quanto é você?
Bem, devido ao nível em que Kat e Justin estão na história, não há como nós, como atores, conseguirmos chegar a esse nível em dois ou três meses ou até dois ou três anos. E assim, todas as grandes acrobacias, as coisas que parecem tão impressionantes, são feitas por duplas incríveis, como as duplas de nível nacional que tivemos no Canadá. Tudo isso – definitivamente foram 100% deles, eles são incríveis.

A temporada termina em um momento tão grande. Você tem alguma idéia de onde você quer ir se houver uma segunda temporada?
Penso para mim, o que realmente achei mais intrigante é o relacionamento entre Kat, sua mãe e sua irmã. No final, ficamos com essas três mulheres que tomaram decisões muito diferentes, algumas boas e outras ruins, e agora estão tentando se unir para ajudar uma à outra e descobrir o que fazer a seguir. E eu adoraria ver um pouco mais disso. Quero saber se esse relacionamento permanecerá tão forte quanto termina na temporada ou se tudo vai desmoronar.

Você trabalhou com as diretoras Samantha Stratton em Spinning Out, com Andrea Arnold em Wuthering Heights e com Leonora Lonsdale em The Pale Horse. Obviamente, você não pode controlar com quem trabalha sempre, mas tem sido uma prioridade para você trabalhar com mulheres?
Definitivamente, imensamente. E eu tenho muita sorte, como você mencionou, de trabalhar com Andrea Arnold, Jessica Gregorini, algumas cineastas e contadoras de histórias incríveis, e eu me sinto tão confortável trabalhando com uma mulher no set.

Para mim, pessoalmente, trabalho confortavelmente com as mulheres. Sinto que de forma criativa, isso me abre em um nível diferente. Eu me sinto seguro com elas. Confio na visão delas e sinto que a relação de trabalho é mais honesta, mais nivelada e mais igual. Meu objetivo final é produzir eventualmente, e quero elevar as histórias de outras mulheres porque vi essas ótimas diretoras com quem trabalhei que produziram um ótimo trabalho e depois não continuaram. Enquanto os diretores masculinos com quem trabalhei, que são completamente medíocres, recebem oportunidades à esquerda, à direita e ao centro. Então, eu quero ser alguém que possa elevar as histórias das mulheres para esse setor, porque isso ainda é um enorme desequilíbrio.

Spinning Out também é uma história de mãe e filha. Como alguém que cresceu com uma mãe solteira, isso influenciou seu desempenho?
Sim, definitivamente. Fui criada por uma mulher, completamente, unicamente. E então, quando eu li o relacionamento de Kat e Carol [January Jones], eu entendi os detalhes, que não é perfeito o tempo todo e que, de fato, às vezes pode ser incrivelmente intenso e até volátil. E gostei muito da honestidade. Não tinha medo de mostrar uma dinâmica feminina que não fosse perfeita ou que fosse complicada. Na maior parte da temporada, elas não se dão bem, mas quando precisam uma da outra, não há mais ninguém no mundo para entender suas situações individuais como a outra. E elas têm segurança nisso, é assim que me sinto com minha mãe e como tenho certeza de que muitas crianças com pais solteiros se sentem. Não importa o quanto as coisas possam ficar difíceis, não importa quantas brigas você tenha, vocês passaram por algo único em conjunto, que ninguém mais pode entender.

Eu acho que algo que também é realmente interessante é que você é meio brasileira e meio inglesa, mas não acho que você já tenha interpretado uma mulher mista antes.
Não, não tenho. E você sabe o que, durante a turnê de imprensa dos Piratas do Caribe, talvez três anos atrás, falei com uma jornalista e ela se dirigiu a mim como uma mulher biracial, e foi a primeira vez que fui vista dessa maneira e fiquei bastante decepcionada comigo mesma por não ter tentado apresentar isso mais. É algo que eu tenho tanto orgulho. Tive uma criação mais latina do que inglesa. A comida que eu cozinho, a música que eu escuto definitivamente vieram do meu lado brasileiro. Mas acho que na Inglaterra existe um sistema de classes ultrapassado, esperamos que as atrizes sejam de classe média e muito britânica. E é assim que sempre fui projetada, mas não é o que sou. Definitivamente quero explorar isso. Quero interpretar uma personagem biracial, porque é isso que eu sou. Posso não parecer na superfície, mas nem todos temos uma certa aparência, e isso é realmente bonito.

Uma grande ambição minha é trabalhar no Brasil, encontrar uma história por aí e abraçar esse lado de mim. Porque também sou fluente em português e nunca fiz isso na tela.

Você também falou sobre encontros anuais de Natal com o elenco de Skins. Isso é algo que vocês ainda fazem?
Sim, todo ano. A maioria de nós gosta mais do que o verdadeiro Natal. Nós chamamos isso de “Frismas” – Friends Christmas. Há cerca de 12 de nós que ainda estão em contato, e nos vemos o tempo todo, mas o jantar de Natal é importante, porque obviamente Nicholas Hoult está sempre trabalhando, e Daniel Kaluuya está sempre trabalhando, e eu estou sempre fora, então é difícil para todos nós ficarmos juntos durante o ano. Mas no Natal, todos estamos voltando para casa na Inglaterra, então, na semana anterior ao Natal, sempre nos reunimos. Mas há cinco bebês no grupo agora, então todas as crianças estão crescendo juntas e são todas melhores amigas e é adorável.

Obviamente tivemos Skins Fire, mas você acha que faria outra reinicialização com o elenco inteiro?
Eu não sei. Eu sinto que o que era mágico sobre o Skins é que ele estava tão focado nos dois anos da faculdade britânica, que tem entre 16 e 18 anos, e há algo tão especial acontecendo naquele momento da sua vida em que você está se sentindo coisas pela primeira vez, você está descobrindo quem você é pela primeira vez e está experimentando e tentando encontrar seu lugar no mundo. E, como eu disse, acho que o tempo era especial, seria muito difícil replicá-lo agora.

CONVERSA DESCONTRAÍDA

Qual foi sua primeira paixão por uma celebridade?
Orlando Bloom. Ele estava no caminhão de maquiagem ao meu lado [enquanto filmava Piratas do Caribe], e eu estava tremendo.

Você disse a ele que tinha uma queda por ele?
Não, claro que não! Eu tinha um pôster dele no meu quarto. Mas ele parece ser um cara normal e legal, e eu estava tipo, ok, eu faço parte disso agora.

Qual foi a interação mais estranha com fãs que você já teve?
Confie em mim, eles são sempre estranhos. As pessoas me pedem para desenhar algo para elas … e havia uma garota adorável no Brasil que me pediu para assinar o braço dela para que ela pudesse tatuá-lo, e eu fiquei tipo: “não, por favor, não faça isso, faça outra coisa, ” E ela disse: ” não, não, eu realmente quero, eu realmente quero.” E eu estava tipo, “OK.” Eu desenhei o mais ordenadamente que pude, e ela voltou no dia seguinte e estava infeccionado, parecia muito nojento, e eu me senti mal por isso.

Qual é a última coisa que você assistiu?
Você. Não tenho medo de admitir que amo Você.

Qual é a coisa mais louca que você já leu sobre si mesmo?
Tento não ler nada sobre mim porque tenho medo disso. Mas acho que minha tia tem um alerta do Google para mim, o que acho realmente embaraçoso, e ela me liga de vez em quando e diz: “em que país você está? E você vai se casar? Você está grávida de novo? ” E eu fico tipo “não, não, não acredite em nada disso”. Mas eu tento não procurar nada disso.

O que você gostaria que mais pessoas soubessem sobre você?
Que eu sou uma mulher biracial. Você me inspirou.

Entrevista: InStyle | Tradução e adaptação: Equipe Kaya Scodelario Brasil

Nome: Kaya Scodelario Brasil
Sigla: KSBR
Online desde: 26/01/2020
Webmiss: Beatriz Frazão
Hospedagem: Flaunt.nu
Design: Uni Design

|

The Pale Horse
Status: Disponível na BBC One
Personagem: Hermia
Lançamento: 2020

Spinning Out
Status: Disponível na Netflix
Personagem: Kat Baker
Lançamento: 2020

Crawl
Status: Disponível em DVD, Blu-Ray e streaming
Personagem: Haley
Lançamento: 2019

Voltar para o início
Kaya Scodelario Brasil Todos os direitos reservados