Seja bem-vindo ao Kaya Scodelario Brasil, sua melhor fonte sobre a atriz Kaya Scodelario. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Navegue no menu acima e divirta-se com todo o nosso conteúdo. Esperamos que goste e volte sempre.

Finalmente saiu a notícia que o mundo não esperava, as primeiras imagens do novo filme de Kaya Scodelario, Resident Evil: Welcome to Raccoon City. Confira mais informações divulgadas pela IGN.

IGN teve acesso a imagens exclusivas do novo longa Resident Evil: Welcome to Raccoon City, que a Screen Gems considera não como um reboot ou remake de sua franquia de filmes, mas sim como a história de origem dos jogos originais da Capcom. Confira as três imagens exclusivas abaixo para ver as novas versões para a tela de Clair Redfield, Jill Valentine, Leon S. Kennedy, Albert Wesker e mais personagens que os jogadores irão reconhecer.

O próximo filme – escrito e dirigido por Johannes Roberts (47 Meters Down, The Strangers: Prey at Night) – é baseado nos dois primeiros jogos Resident Evil. O filme narra como Raccoon City passou de uma cidade industrial a uma cidade agonizante do meio-oeste que se tornou o marco zero para o surto do T-Virus.

Em uma nova entrevista exclusiva para a IGN, Roberts falou sobre as diferenças entre seu filme Resident Evil, os filmes anteriores estrelados por Milla Jovovich e como sua abordagem cinematográfica aqui se baseia não apenas nos jogos da Capcom, mas também do antigo gênero de cinema:

“Este filme realmente não teve nada a ver com a franquia anterior. Trata-se de voltar aos jogos e criar um conteúdo que é mais um filme de terror do que o tipo de ação e ficção científica dos longas anteriores. Fui extremamente influenciado em particular pelo remake do segundo jogo e realmente queria capturar o tom encharcado que tinha. Foi tão cinematográfico. Os filmes anteriores eram muito claros e brilhantes, enquanto este filme é escuro e sujo, inteiramente rodado à noite. Está chovendo constantemente e a cidade está envolta em névoa. Fui extremamente influenciado por filmes como O Exorcista (e Exorcista 3!), Aquele Inverno em Veneza e O Iluminado. Você pode realmente sentir a textura neste filme. Nada nesta cidade parece alta tecnologia. Parece dilapidado. Eu queria que Raccoon City se parecesse um pouco com a cidade de Deer Hunter; uma cidade fantasma esquecida pelo resto do mundo. E toda a estrutura do filme foi definitivamente muito influenciada por Assalto à 13ª DP.”

Nossa primeira imagem exclusiva do filme revela Kaya Scodelario como Claire Redfield e Avan Jogia como Leon S. Kennedy. Você notará que Leon está vestindo seu uniforme de policial, de acordo com o que era seu trabalho na época do Incidente de Destruição de Raccoon City.

Avan Jogia as Leon S. Kennedy and Kaya Scodelario as Claire Redfield in Resident Evil: Welcome to Raccoon City.
IGN – Kaya Scodelario como Claire Redfield e Avan Jogia como Leon S. Kenndy.

Em Resident Evil 2, Leon e Claire Redfield, irmã do oficial da S.T.A.R.S. Chris Redfield, estava entre as poucas pessoas que se aventuraram em Raccoon City após o surto. Eles eventualmente se cruzaram com o chefe de polícia de Raccoon City, Brian Irons, interpretado neste filme por Donal Logue de Gotham.

“A diferença deste filme em relação aos filmes anteriores é que se trata de um conjunto em que cada um dos personagens principais tem grande importância para a narrativa. Eles não são apenas personagens de cosplay que têm o cabelo e o traje exatos”, disse Roberts. “Foi extremamente importante em todo o processo de seleção de elenco encontrar pessoas que incorporassem o espírito e a energia dos personagens que eu queria interpretar. Eu acho que muitas vezes nas adaptações de jogos, uma das grandes falhas pode ser apenas escolher alguém para se parecer visualmente com os personagens – dando-lhes o mesmo corte de cabelo e roupas, mas não tentando realmente dar ao público o que um filme faz melhor do que um jogo – o que é criar um personagem tridimensional com o qual você pode realmente se conectar e acreditar.”

Roberts lembrou a busca particularmente difícil pelo ator certo para interpretar Leon S. Kennedy: “Vimos tantas pessoas – foi realmente um papel bastante complicado por causa do equilíbrio entre humor e cansaço. Então Avan apareceu e eu pensei que ele era o único! Ele entende.”

A segunda imagem exclusiva do IGN de ​​Resident Evil: Welcome to Raccoon City apresenta, da esquerda para a direita, Albert Wesker (Tom Hopper), Brad Vickers (Nathan Dales), Jill Valentine (Hannah John-Kamen) e Richard Aiken (Chad Rook ) à espreita na Mansão Spencer, que Roberts anteriormente descreveu para nós como sendo “assustadora para car*lho” em seu filme.

L-R: Albert Wesker (Tom Hopper), Brad Vickers (Nathan Dales), Jill Valentine (Hannah John-Kamen), and  Richard Aiken (Chad Rook). Click to enlarge.
IGN – Albert Wesker (Tom Hopper), Brad Vickers (Nathan Dales), Jill Valentine (Hannah John-Kamen), and Richard Aiken (Chad Rook).

“Eu queria voltar ao terror de tudo isso. Eu queria sustos e atmosfera em vez de ação total ”, disse Roberts ao IGN ao comparar o que diferencia Welcome to Raccoon City dos primeiros filmes Resident Evil. “Acho que os fãs do jogo sentiram o mesmo. Eles queriam ver os personagens e locais icônicos e sentir que o filme estava mais de acordo com o mundo do jogo Resident Evil, então é realmente por isso que escolhemos ir nessa direção. Trabalhamos lado a lado com a Capcom neste filme a ponto de realmente obtermos projetos deles da Mansão Spencer e da delegacia de polícia de Raccoon para recriá-los da maneira mais perfeita possível. Temos até a arte exata nas paredes da mansão. A Capcom viu pela primeira vez no outro dia e estava muito feliz e animada.”

A imagem final que podemos revelar com exclusividade de Resident Evil: Welcome to Raccoon City mostra Lisa Trevor, interpretada no filme por Marina Mazepa. Nos jogos, Lisa é a filha adolescente do arquiteto da Mansão Spencer na Floresta de Raccoon, que desapareceu durante uma caminhada. Cientistas da Umbrella trabalhando no Laboratório Arklay perto da Mansão Spencer fizeram experiências com Lisa por anos, incluindo a exposição a vários vírus.

Esses experimentos horríveis em Lisa levaram a Umbrella a descobrir o Nemesis Tyrant e o G-Virus, mas eles também a transformaram em uma monstruosidade perturbada. Um dos cientistas que fizeram experiências com ela é o Dr. William Birkin, interpretado em Welcome to Raccoon City por Neal McDonough.

Resident Evil: Welcome to Raccoon City's Lisa Trevor (Marina Mazepa). Click to enlarge.
IGN – Lisa Trevor (Marina Mazepa)

“Lisa Trevor é na verdade um papel central no filme. Sempre fui fascinado por ela ao jogar o remake do primeiro jogo. Eu achei sua personagem perturbadora e ao mesmo tempo estranhamente assustadora”, disse Roberts ao IGN. “Quando estávamos discutindo como dar vida a essa história, foi um dos elementos que eu realmente queria destacar, já que ela nunca esteve em nenhuma das versões dos filmes de Resident Evil. Eu queria que ela fosse uma personagem tridimensional, não apenas um espectro assustador. Escolhemos Marina Mazepa, que tinha acabado de fazer Malignant para James Wan e realmente trabalhou duro para trazer essa personagem à vida de uma forma que acho que os fãs vão amar muito. Ela é assustadora, mas também trágica. No filme, nós realmente a conectamos com a história de Claire Redfield, começando com o orfanato onde Claire cresceu.”

Os fãs dos jogos devem saber que a Capcom esteve envolvida no desenvolvimento e design do filme. “Trabalhamos em estreita colaboração com a Capcom. Cada personagem e criatura é do jogo e, como tal, queria ser o mais fiel possível. Eu queria criar um sentimento verdadeiramente envolvente para os fãs”, explicou Roberts. “Mas isso também se tornou a parte mais complicada de adaptar um pedaço de IP como este, porque eu não queria apenas colocar o jogo na tela – tinha que ser seu próprio, com personagens e criaturas vivas (e, é claro, zumbis!) que parecia verdadeiro para o mundo.”

Resident Evil: Welcome to Raccoon City estreia apenas nos cinemas em 24 de novembro de 2021, nos Estados Unidos, 3 de dezembro no Reino Unido e 25 de novembro na Austrália.

Como fã da franquia mal posso esperar pelo filme, principalmente com Kaya interpretando minha personagem favorita Claire, não poderia ter feito uma escolha melhor. Mas também, como fã, gostaria de ressaltar o que Robert disse, o mais importante é a essência do personagem na tela, não somente a aparência física, já vimos atores extremamente parecidos com os personagens fisicamente, porém faltava a essência criada que todos amamos. Que tal antes de nos precipitarmos com as críticas esperarmos pelo resultado final?

Resident Evil: Welcome to Raccoon City estréia em breve nos cinemas, não deixe de acompanhar o KSBR em nossas redes sociais (Twitter e Instagram) para mais novidades sobre Kaya Scodelario e seu papel em Resident Evil, confira também a nossa galeria de fotos, estaremos atualiazando imagens de Kaya como Claire conforme o liberado.

Matéria: IGN | Tradução e adaptação: Equipe Kaya Scodelario Brasil

Quem se lembra de quando postamos uma certa teoria de que Kaya estaria em um novo projeto em nosso Twitter? Mais especificamente o longa dirigido por Hannah Marks, Don’t Make Me Go. Recentemente recebemos a confirmação oficial de que Kaya está no elenco pela matéria da Deadline, confira:

A estrela de The Maze Runner e Resident Evil: Welcome to Raccoon City, Kaya Scodelario juntou-se ao drama de aventura de pai e filha da Amazon Studios, Don’t Make Me Go.

Scodelario se junta a John Cho, Mia Isaac e Jade Harlow. Hannah Marks dirigiu o filme a partir de um roteiro de Vera Herbert.

Atualmente em pós-produção, Don’t Make Me Go segue um pai solteiro que leva sua filha adolescente em uma viagem para encontrar sua mãe distante, enquanto tenta ensiná-la tudo que ela precisa saber para o resto de sua vida ao longo do caminho.

Os produtores incluem Donald De Line da De Line Pictures e Leah Holzer e Peter Saraf da Big Beach Films.

A atriz brasileira-britânica também está no filme Resident Evil: Welcome to Racoon City, que a Sony lançará em novembro. Mais conhecida pela franquia Maze Runner, ela teve sua estreia na série cult do Reino Unido Skins. Mais recentemente, estrelou a série Spinning Out da Netflix, o filme de terror da Paramount, Crawl e Extremely Wicked, Shockingly Evil and Vile, ao lado de Zac Efron.

Agora? O que mais sabemos sobre o novo longa na carreira de Kaya? Você também pode conferir pela nossa pequena thread feita no Twitter. Também não deixe de seguir o KSBR nas redes sociais.

Matéria: Deadline | Tradução e adaptação: Equipe Kaya Scodelario Brasil

Kaya Scodelario irá estrelar na nova adaptação de Resident Evil, confira a matéria da Deadline:

Constantin Film lançou uma nova adaptação para adicionar à franquia de filmes Resident Evil em constante expansão. Constantin e o roteirista e diretor Johannes Robert, disseram na terça-feira que conceberam uma adaptação de história de origem oficial com laços fiéis aos clássicos jogos de terror de sobrevivência da Capcom. Esta história se passa em 1998 em uma noite fatídica em Raccoon City.

Estrelando os papéis dos personagens icônicos do jogo estará Kaya Scodelario de Maze Runner como Claire Redfield ao lado de Hannah John-Kamen (Homem-Formiga e a Vespa) como Jill Valentine, Robbie Amell (Upload) como Chris Redfield, Tom Hopper (The Umbrella Academy) como Albert Wesker, Avan Jogia (Zumbilândia: Atire Duas Vezes) como Leon S. Kennedy e Neal McDonough (Yellowstone) como William Birkin.

“Com este filme, eu realmente queria voltar aos dois primeiros jogos originais e recriar a terrível experiência visceral que tive quando os joguei pela primeira vez, enquanto ao mesmo tempo contava uma história humana fundamentada sobre uma pequena cidade americana moribunda que parece identificável e relevante para o público de hoje.” disse Roberts, o cineasta por trás do thriller de tubarão 47 Metros Para Baixo e sua sequência.

O produtor da franquia Robert Kulzer produzirá novamente em nome de Constantin com James Harris da Tea Shop Productions e Hartley Gorenstein.

Kulzer disse: “Depois de uma dúzia de jogos, seis filmes de ação e centenas de páginas de fan fiction, nos sentimos compelidos a retornar ao ano de 1998, para explorar os segredos escondidos nas paredes da Mansão Spenser e de Raccoon City.”

A Screen Gems da Sony Pictures distribuirá o filme no mercado interno, com Constantin cuidando dos territórios de língua alemã, a Elevation distribuindo no Canadá, Metropolitan na França e a Sony Pictures Releasing International cuidando da maior parte dos territórios restantes.

O CEO da Constantin Film, Martin Moszkowicz, e Victor Hadida, da Davis Film, atuarão como produtores executivos. Alex Westmore e Colin Scully da Constantin Film estão supervisionando o projeto.

Paul W.S. Anderson escreveu e dirigiu os seis filmes anteriores, que foram estrelados por Milla Jovovich e arrecadaram US $ 1,2 bilhão nas bilheterias mundiais. Está entre as séries de filmes de maior bilheteria já baseadas em um videogame. Deadline recentemente deu a notícia de uma adaptação da série Resident Evil, que será feita pela Netflix.

Ansiosos para mais um projeto da Kaya?

Original | Tradução e adaptação: Equipe Kaya Scodelario Brasil

Após dez anos de pausa na televisão, Kaya Scodelario está de volta e pronta para a ação. Ela começou o ano estrelando na série Spinning Out da Netflix, uma história emocionalmente intensa centrada no retorno de uma patinadora artística ao gelo após uma lesão grave. Ela também está em uma adaptação da BBC One e da Amazon Studios de The Pale Horse, de Agatha Christie, que será lançada em fevereiro.

Enquanto Kaya certamente estpa com a agenda cheia, Spinning Out é um projeto que ela mantém especialmente perto de seu coração. Após o lançamento da série, Schön! conversou com a atriz inglesa sobre as filmagens de Spinning Out, seus maiores desafios e como seria uma segunda temporada.

Spinning Out é a sua primeira série de televisão desde Skins. Como foi voltar à TV depois de quase dez anos? Alguma coisa que você sentiu falta (ou odiou) em particular?
Eu estava um pouco nervosa por voltar à TV depois de dez anos e me acostumei com o ritmo de filmagem, que é muito mais lento. Em um cenário típico de filme, você grava uma ou duas páginas por dia, enquanto na TV um dia médio de filmagem é de 8 a 9 páginas. Por um lado, isso pode ser assustador, porque é muito para aprender, especialmente se, como eu, você é disléxico, mas logo percebi que realmente gosto de ser pressionada. É mais fácil permanecer na psique do personagem quando você está constantemente em movimento – às vezes nos sets de filmagem, leva quatro horas para gravar você andando por um corredor. Não há tempo para isso na TV.

Como você começou a trabalhar em Spinning Out?
Eu li o piloto enquanto filmava Crawl (Predadores Assassinos) na Sérvia e imediatamente me senti conectada a Kat de uma maneira que não sentia por um personagem há muito tempo. Eu gravei um vídeo no meu quarto de hotel e obtive respostas alguns meses depois. Eu fui direto para o treinamento.

Suas dublês nas série foram patinadoras incríveis, incluindo Michelle Long e Elizabeth Putnam. Como foi o seu relacionamento com elas, e como elas te ajudaram ou deram dicas para o que você estava fazendo na tela?
Tivemos as duplas mais incríveis com as quais todos formamos laços. Eles não apenas fizeram um trabalho fantástico para garantir que parecíamos tecnicamente autênticos no gelo, mas também nos ajudaram a entender o lado social de ser um patinador competitivo. Sentávamos no almoço e eles contavam suas experiências pessoais de ‘mães patinadoras’, lesões, drama e tudo mais. Foi uma ótima maneira de nos ajudar como atores a construir histórias anterior e entender nossos personagens não apenas como atletas, mas também como pessoas.

Como foi sua preparação para patinar no gelo em Spinning Out?
Intenso! Eu só descobri que tinha conseguido esse papel dois meses antes do início das filmagens, então eu realmente tive que trabalhar o meu corpo. Comecei a treinar por uma hora todos os dias em Londres, depois quatro horas três vezes por semana com Sarah Kawahara quando cheguei ao Canadá. Além do treinamento no gelo, estava tendo aulas de dança e balé para garantir que eu tivesse as habilidades de patinação na coreografia da competição e a graciosidade que Kat carrega em seus movimentos de braço.

Fora do gelo, que outra preparação você fez para o papel de Kat?
Eu fiz uma extensa pesquisa sobre transtorno bipolar, pois era muito importante para mim que nossa interpretação fosse honesta e informativa. Tenho alguma experiência pessoal com familiares que vivem com problemas de saúde mental e realmente queria ter certeza de que entrei nisso com o máximo de conhecimento possível.

Esta série é bastante emocional. Como você manteve a atmosfera no set durante as filmagens de uma série tão intensa?
Felizmente, todos nos demos muito bem no segundo em que nos conhecemos. Realmente ajuda quando você sente que ir ao trabalho pode ser divertido. Todos nós ficávamos no meu trailer entre as cenas, nos conhecendo e nos fazendo rir.January é especialmente uma das pessoas mais divertidas que já conheci.

Qual foi a parte mais desafiadora de gravar Spinning Out?
O clima no Canadá. Fazia menos 20 graus na maioria dos dias – meu sangue meio brasileiro não estava preparado para isso. Ainda não está.

A série um terminou com um grande cliffhanger. Você tem alguma ideia do que uma segunda temporada pode trazer?
Eu não faço ideia! Eu implorei ao showrunner, Sam, para me dizer, mas ela não está dando nada.

Agora que a série terminou, qual foi o momento mais memorável de ver a reação do público sobre Spinning Out?
Recebi lindas mensagens de jovens lutando com seus próprios problemas de saúde mental. Eles disseram que a série é a interpretação mais honesta de suas experiências que eles viram. Isso significa o mundo.

Além de atuar, você também se tornou o rosto da linha de joias da Cartier, Clash de Cartier, na primavera de 2019. Como alguém com um longo interesse em moda, o que significava para você ser o rosto de uma grande marca de joias?
Foi tão maravilhoso trabalhar com Cartier. Eles criaram uma linha que realmente fala comigo. A dualidade de uma mulher, os dois lados da moeda; sou eu em poucas palavras e estou tão feliz que eles me deram uma plataforma para abraçar isso.

Entrevista: Schön! Magazine | Tradução e adaptação: Equipe Kaya Scodelario Brasil

Kaya Scodelario é ao mesmo tempo incrivelmente aberta e incrivelmente educada. Quando falamos ao telefone, a primeira coisa que ela faz é me agradecer por ter tempo para conversar com ela, antes de começar uma conversa repleta de palavrões casuais, abordando-me como se eu fosse sua melhor amiga. Ela me chama de “amor” tantas vezes que quase parece que nos conhecemos há anos – como se ela estivesse ligando do outro lado do quarteirão, e não de Londres, onde foi criada e onde atualmente trabalha com o marido Benjamin Walker e o filho de três anos.

“É onde estão todos os meus amigos e familiares e meu cachorro,” diz ela. “Adoro poder mergulhar na vida de Hollywood e Los Angeles e depois voltar para casa para o pub.”

É fácil imaginar poder sentar-se com Scodelario com uma cerveja no final de um longo dia, exalando, trocando fofocas e rindo. Há uma energia realista que ela carregava desde seu avanço como Effy Stonem em Skins, o drama adolescente britânico que foi de 2007 a 2013 e lançou sua carreira, bem como as de Nicholas Hoult, Daniel Kaluuya e Dev Patel, entre outros.

Ainda assim, Scodelario, que foi criada falando português por sua mãe solteira brasileira, diz que inicialmente não tinha muito em comum com a garota legal por quem ficou famosa por interpretar.

“No começo, eu era o oposto de Effy, eu era tão tímida e nunca saía de casa, estava tentando ser uma adulta, cuidar da minha mãe e cuidar dos meus amigos,” diz ela. “E então, nas temporadas posteriores, quando entramos na depressão dela, foi quando percebi que havia coisas acontecendo que eu precisava resolver também. E recebi tantas mensagens maravilhosas de pessoas dizendo que isso as ajudou a entender uma parte de si ou pelo menos questionar uma parte de si. E esses são os tipos de papéis que quero desempenhar. Eu quero que isso importe.”

Nos anos seguintes, ela fez uma transição perfeita da TV para o cinema em uma série de projetos grandes e pequenos: a trilogia Maze Runner, a quinta parte da série Piratas do Caribe e, mais recentemente, um papel como ex de Ted Bundy em Extremely Wicked, Shockingly Evil and Vile da Netflix. E agora, Scodelario está retornando à TV em sua primeira grande série desde Skins como Kat Baker, uma patinadora do gelo na nova série da Netflix, Spinning Out.

Leia enquanto Scodelario discute em defesa da representação da saúde mental, seus jantares anuais de reunião “Frismas” com o elenco de Skins e sua identidade como uma orgulhosa mulher biracial.

A história é que você fez o teste para Skins aos 14 anos de idade sem nenhuma experiência como atriz. Você pode me falar um pouco mais sobre isso?
Sim, sempre soube que tinha uma profunda paixão por atuar e, desde muito jovem, eu era uma criança muito tímida e quieta, sofria muito bullying. Eu tinha dislexia e nunca encontrei meu lugar no mundo até os 11 anos, quando minha escola produziu Oliver Twist, e eles fizeram o teste de todos os meninos e não deixaram nenhuma das meninas fazer teste para nenhum dos papeis. E fui até a professora e perguntei: “Alguém fez o teste para Oliver?” E eles diziam: “Não, não, você não pode fazer isso. Mas vamos deixar você fazer um teste para um dos meninos do orfanato”. E eles me deram uma frase para dizer, e eu disse o melhor que pude. E então no dia seguinte eles me disseram que eu poderia interpretar Oliver.

Penso que, a partir de então, isso me deu uma sensação de realização, alegria e felicidade, que eu sabia que era o que queria fazer, mas pensei que você tinha que vir de uma família rica, estar conectado de alguma forma ou ser loira e aparência perfeita. Mas tive muita sorte, quando eu tinha 14 anos, estava voltando da escola e eles estavam fazendo audições abertas para Skins perto da minha casa. E parei e olhei, e desejei ter a coragem de entrar. O criador, Bryan Elsley, estava do lado de fora fumando um cigarro na época, e ele falou comigo e perguntou se eu queria entrar e ler. Eu tive muita, muita sorte. Foi assim que tudo começou.

Spinning Out é sua primeira grande série de TV desde Skins. Você estava procurando fazer mais TV quando apareceu?
Sim, é estranho, já se passaram 10 anos [desde que o arco de Effy na série terminou]. Eu realmente gosto de fazer filmes. Eu realmente gosto que todo mundo se concentre intensamente por cinco ou seis meses, e então isso acontece, e está bastante contido nesse sentido que você visita um personagem e depois o deixa. Mas sempre senti falta da agitação da televisão, filmando sete a oito páginas por dia, em vez de uma a duas.

Eu estava lendo scripts diferentes para filmes e TV, e então meu agente me enviou este. Há muito tempo que procuro uma história sobre saúde mental, especialmente transtorno bipolar, pois isso é algo que está muito próximo do meu coração na minha vida pessoal. Eu senti que essa era a melhor representação que eu já tinha visto no papel e sabia que, não importava o que fosse, fosse TV ou filme ou não, eu queria fazer isso. Eu queria dar vida a Kat e queria afundar meus dentes nela e em sua situação.

Sua personagem Kat vive com transtorno bipolar, como você mencionou. Como você se preparou para esse aspecto do papel?
Tenho muita experiência pessoal com familiares e amigos que passaram por diferentes graus de doença mental, e é algo que eu sofri comigo mesma. É fascinante, porque eu sinto que minha geração foi a última geração a não falar abertamente sobre isso. E estou tão admirada com a nova geração que está falando abertamente, e eu acho que é uma coisa ótima.

Eu meio que usei isso como minha principal ferramenta de pesquisa, procurei blogs, procurei vídeos do YouTube, especialmente com ex-patinadores discutindo suas doenças mentais e abuso no mundo atlético. Então, fiz muitas pesquisas online dessa maneira. Conversei com uma instituição de caridade chamada Mind, sediada no Reino Unido, com quem trabalhei há 10 anos, quando estava interpretando Effy e ela teve um colapso. Era muito importante para mim que tentássemos apresentar uma descrição muito honesta da saúde mental. Não apenas o lado maníaco, mas também o dia-a-dia de tomar suas pílulas, em quem você confia o suficiente para conversar sobre isso e todos esses pequenos detalhes que você nem sempre vê. Então, eu realmente fiz o máximo de pesquisa possível. É provavelmente o máximo que eu já pesquisei para um papel antes, porque queria estar totalmente preparada para quando chegasse ao set.

Às vezes, era estranho para mim também. Tentei me certificar de que estava cuidando da minha saúde mental durante as filmagens. Eu tinha minha terapeuta em Londres no telefone sempre que eu precisava dela. Meus melhores amigos passaram algum tempo comigo quando comecei a me sentir bastante pressionada por estar envolvida nesse tipo de papel por tanto tempo. Porque, como atriz, acho que as pessoas esquecem que estamos vivendo essa experiência as vezes, e é importante cuidar de nós mesmos também. Então, tentei me certificar de que chegava em casa à noite e conversava com meus amigos, ou brincava com meu filho, ou tentava me re-canalizar. Porque é exaustivo interpretar alguma crise 12 horas por dia e emocionalmente muito, muito forte para mim.

Você foi capaz de se proteger e evitar ser pressionada quando estava filmando Skins também? Eu sei que você era muito mais jovem na época.
Isso foi em uma época diferente. Provavelmente não. Provavelmente não tanto quanto eu deveria ter. Éramos adolescentes e não estávamos prontos para enfrentar a realidade de nossas situações. E Skins era tão estranho porque estávamos experimentando coisas na vida real enquanto estávamos gravando. Estávamos todos passando por nossos primeiros amores, ou nossos primeiros rompimentos, ou saindo de casa e discutindo com nossos pais, e de repente tentando cuidar de nossas finanças ou encontrar um lugar para morar. E foi extremamente estressante para todos nós. Eu acho que é a razão pela qual muitos de nós ainda somos amigos agora, porque essa experiência foi tão estranha. E agora finalmente conversamos sobre isso – quando jantamos e sentamos, discutimos como nos sentimos no momento em que estávamos filmando.

Em Spinning Out, era realmente importante para mim ter um coordenador de intimidade [alguém que garante o bem-estar de atores que participam de cenas de sexo ou outras cenas íntimas], solicitei um no set porque isso era algo que não existia durante Skins, e eu sei que é algo que realmente teria realmente beneficiado muitos de nós na época.

Skins também continham representações realmente sutis da saúde mental, particularmente com sua personagem, Effy. Você acha que a percepção dos problemas de saúde mental mudou desde o seu tempo em Skins? O estigma diminuiu?
Acho que ainda temos um longo caminho a percorrer, mas é o caso de qualquer coisa que seja importante. Nunca devemos chegar a um ponto em que estamos contentes. Devemos sempre estar pressionando por mais conversas, especialmente com jovens.

Você parece tão natural no gelo em Spinning Out. Como foi sua preparação física para isso?
Oh meu Deus, eu comecei do fundo. Eu era uma daquelas pessoas que pegam a pista de gelo no Natal e se agarram à beira. Faça duas voltas e desça. Acho que nunca estive no meio de uma pista de gelo antes.

Mas eu tinha um treinador incrível aqui em Londres que trabalhou comigo. Treinei durante uma hora todos os dias durante três semanas. Quando cheguei em Toronto, fazíamos de cinco a seis horas por dia com Sarah Kawahara, que é essa incrível instrutora e coreógrafa de patinação. Ela fez Eu, Tonya e Blades of Glory. Ela é assustadora, mas de uma maneira muito boa. Ela realmente deu um chute na minha bunda lá.

Quanto do que vemos é dublê e quanto é você?
Bem, devido ao nível em que Kat e Justin estão na história, não há como nós, como atores, conseguirmos chegar a esse nível em dois ou três meses ou até dois ou três anos. E assim, todas as grandes acrobacias, as coisas que parecem tão impressionantes, são feitas por duplas incríveis, como as duplas de nível nacional que tivemos no Canadá. Tudo isso – definitivamente foram 100% deles, eles são incríveis.

A temporada termina em um momento tão grande. Você tem alguma idéia de onde você quer ir se houver uma segunda temporada?
Penso para mim, o que realmente achei mais intrigante é o relacionamento entre Kat, sua mãe e sua irmã. No final, ficamos com essas três mulheres que tomaram decisões muito diferentes, algumas boas e outras ruins, e agora estão tentando se unir para ajudar uma à outra e descobrir o que fazer a seguir. E eu adoraria ver um pouco mais disso. Quero saber se esse relacionamento permanecerá tão forte quanto termina na temporada ou se tudo vai desmoronar.

Você trabalhou com as diretoras Samantha Stratton em Spinning Out, com Andrea Arnold em Wuthering Heights e com Leonora Lonsdale em The Pale Horse. Obviamente, você não pode controlar com quem trabalha sempre, mas tem sido uma prioridade para você trabalhar com mulheres?
Definitivamente, imensamente. E eu tenho muita sorte, como você mencionou, de trabalhar com Andrea Arnold, Jessica Gregorini, algumas cineastas e contadoras de histórias incríveis, e eu me sinto tão confortável trabalhando com uma mulher no set.

Para mim, pessoalmente, trabalho confortavelmente com as mulheres. Sinto que de forma criativa, isso me abre em um nível diferente. Eu me sinto seguro com elas. Confio na visão delas e sinto que a relação de trabalho é mais honesta, mais nivelada e mais igual. Meu objetivo final é produzir eventualmente, e quero elevar as histórias de outras mulheres porque vi essas ótimas diretoras com quem trabalhei que produziram um ótimo trabalho e depois não continuaram. Enquanto os diretores masculinos com quem trabalhei, que são completamente medíocres, recebem oportunidades à esquerda, à direita e ao centro. Então, eu quero ser alguém que possa elevar as histórias das mulheres para esse setor, porque isso ainda é um enorme desequilíbrio.

Spinning Out também é uma história de mãe e filha. Como alguém que cresceu com uma mãe solteira, isso influenciou seu desempenho?
Sim, definitivamente. Fui criada por uma mulher, completamente, unicamente. E então, quando eu li o relacionamento de Kat e Carol [January Jones], eu entendi os detalhes, que não é perfeito o tempo todo e que, de fato, às vezes pode ser incrivelmente intenso e até volátil. E gostei muito da honestidade. Não tinha medo de mostrar uma dinâmica feminina que não fosse perfeita ou que fosse complicada. Na maior parte da temporada, elas não se dão bem, mas quando precisam uma da outra, não há mais ninguém no mundo para entender suas situações individuais como a outra. E elas têm segurança nisso, é assim que me sinto com minha mãe e como tenho certeza de que muitas crianças com pais solteiros se sentem. Não importa o quanto as coisas possam ficar difíceis, não importa quantas brigas você tenha, vocês passaram por algo único em conjunto, que ninguém mais pode entender.

Eu acho que algo que também é realmente interessante é que você é meio brasileira e meio inglesa, mas não acho que você já tenha interpretado uma mulher mista antes.
Não, não tenho. E você sabe o que, durante a turnê de imprensa dos Piratas do Caribe, talvez três anos atrás, falei com uma jornalista e ela se dirigiu a mim como uma mulher biracial, e foi a primeira vez que fui vista dessa maneira e fiquei bastante decepcionada comigo mesma por não ter tentado apresentar isso mais. É algo que eu tenho tanto orgulho. Tive uma criação mais latina do que inglesa. A comida que eu cozinho, a música que eu escuto definitivamente vieram do meu lado brasileiro. Mas acho que na Inglaterra existe um sistema de classes ultrapassado, esperamos que as atrizes sejam de classe média e muito britânica. E é assim que sempre fui projetada, mas não é o que sou. Definitivamente quero explorar isso. Quero interpretar uma personagem biracial, porque é isso que eu sou. Posso não parecer na superfície, mas nem todos temos uma certa aparência, e isso é realmente bonito.

Uma grande ambição minha é trabalhar no Brasil, encontrar uma história por aí e abraçar esse lado de mim. Porque também sou fluente em português e nunca fiz isso na tela.

Você também falou sobre encontros anuais de Natal com o elenco de Skins. Isso é algo que vocês ainda fazem?
Sim, todo ano. A maioria de nós gosta mais do que o verdadeiro Natal. Nós chamamos isso de “Frismas” – Friends Christmas. Há cerca de 12 de nós que ainda estão em contato, e nos vemos o tempo todo, mas o jantar de Natal é importante, porque obviamente Nicholas Hoult está sempre trabalhando, e Daniel Kaluuya está sempre trabalhando, e eu estou sempre fora, então é difícil para todos nós ficarmos juntos durante o ano. Mas no Natal, todos estamos voltando para casa na Inglaterra, então, na semana anterior ao Natal, sempre nos reunimos. Mas há cinco bebês no grupo agora, então todas as crianças estão crescendo juntas e são todas melhores amigas e é adorável.

Obviamente tivemos Skins Fire, mas você acha que faria outra reinicialização com o elenco inteiro?
Eu não sei. Eu sinto que o que era mágico sobre o Skins é que ele estava tão focado nos dois anos da faculdade britânica, que tem entre 16 e 18 anos, e há algo tão especial acontecendo naquele momento da sua vida em que você está se sentindo coisas pela primeira vez, você está descobrindo quem você é pela primeira vez e está experimentando e tentando encontrar seu lugar no mundo. E, como eu disse, acho que o tempo era especial, seria muito difícil replicá-lo agora.

CONVERSA DESCONTRAÍDA

Qual foi sua primeira paixão por uma celebridade?
Orlando Bloom. Ele estava no caminhão de maquiagem ao meu lado [enquanto filmava Piratas do Caribe], e eu estava tremendo.

Você disse a ele que tinha uma queda por ele?
Não, claro que não! Eu tinha um pôster dele no meu quarto. Mas ele parece ser um cara normal e legal, e eu estava tipo, ok, eu faço parte disso agora.

Qual foi a interação mais estranha com fãs que você já teve?
Confie em mim, eles são sempre estranhos. As pessoas me pedem para desenhar algo para elas … e havia uma garota adorável no Brasil que me pediu para assinar o braço dela para que ela pudesse tatuá-lo, e eu fiquei tipo: “não, por favor, não faça isso, faça outra coisa, ” E ela disse: ” não, não, eu realmente quero, eu realmente quero.” E eu estava tipo, “OK.” Eu desenhei o mais ordenadamente que pude, e ela voltou no dia seguinte e estava infeccionado, parecia muito nojento, e eu me senti mal por isso.

Qual é a última coisa que você assistiu?
Você. Não tenho medo de admitir que amo Você.

Qual é a coisa mais louca que você já leu sobre si mesmo?
Tento não ler nada sobre mim porque tenho medo disso. Mas acho que minha tia tem um alerta do Google para mim, o que acho realmente embaraçoso, e ela me liga de vez em quando e diz: “em que país você está? E você vai se casar? Você está grávida de novo? ” E eu fico tipo “não, não, não acredite em nada disso”. Mas eu tento não procurar nada disso.

O que você gostaria que mais pessoas soubessem sobre você?
Que eu sou uma mulher biracial. Você me inspirou.

Entrevista: InStyle | Tradução e adaptação: Equipe Kaya Scodelario Brasil

O HollywoodLife conversou EXCLUSIVAMENTE com Kaya sobre a mentalidade de Kat após sua terrível lesão na patinação no gelo e sua jornada para superar seu “TEPT grave”. Kaya discutiu o tumultuado relacionamento de Kat com sua mãe, Carol (January Jones), e como isso afeta seu relacionamento com sua irmã, Serena (Willow Shields). Kaya também narrou seu treinamento de patinação artística e revelou que ela realmente desabou o arco nos calcanhares durante o treinamento. Confira nossas perguntas e respostas abaixo.

Kat sofreu uma lesão realmente traumática e está tentando retomar sua carreira no gelo. Me fale sobre o que a está segurando. É mais do que apenas medo?
Eu acho que ela está lidando com um problema de saúde mental complexo. Ela está lidando com TEPT grave desde o incidente. Eu acho que ela sente que se decepcionou e, em vez de admitir para si mesma que é mais forte que isso e que ela pode superar isso e que pode acontecer com qualquer pessoa, ela se culpa. Eu acho que ela está realmente petrificada, mas ela ainda tem esse amor eterno por patinar. É como ela diz, é como respirar para ela. É o que ela sabe que pode fazer, sabe que é boa e sabe que ama. Então, quando a encontramos, ela está realmente tentando equilibrar essas duas coisas. Ela era uma atleta que poderia estar no topo de seu jogo, mas por causa desse incidente, ela sente que isso é inatingível. Nós seguimos a jornada com ela, como queremos que ela queira isso de novo e lute novamente e supere.

Há uma cena no trailer entre Kat e sua mãe, em que sua mãe diz a ela que ela acabou de desperdiçar potencial. O que você pode dizer sobre o relacionamento de Kat com a mãe e como ele evoluirá ao longo da temporada?
Eu acho que é um relacionamento muito complicado, que é o que eu mais amo nele. Eu odeio ver esse tipo de relação de mostrar e contar entre mães e filhas, porque eu sei, pessoalmente, que esse não foi o caso. Há uma beleza em um relacionamento mãe-filha, pois isso pode ser complicado e você nem sempre é a melhor amiga e às vezes fica meio que na garganta um do outro. Carol e Kat nunca se deram muito bem. Kat sente como se Carol sempre a pressionasse e também a culpasse por não ter conseguido uma carreira. Mas no final das contas, que tipo de discussão essas duas mulheres são que elas se amam e que precisam uma da outra. Ninguém mais no mundo entende as circunstâncias em que elas se encontram, somente as duas. Kat está tentando deixar de ser uma boa irmã para sua irmã, mas, ao mesmo tempo, com um ciúme e uma tristeza muito naturais de que sua irmã agora está seguindo o caminho que ela poderia seguir. No centro disso está uma história de três mulheres, como elas são familiares e como, por mais difíceis que sejam as coisas entre elas e o quanto elas batem de cabeça, elas precisam estar lá uma para a outra e depois precisam se encontrar no final.

Eu sinto que, com mães e filhas, elas têm a capacidade de se pressionar de maneiras que ninguém mais em suas vidas pode, especialmente em uma situação como essa. Com Serena, obviamente há muito amor entre essas três mulheres, mas onde Serena se encaixa nessa dinâmica?
Eu acho que ela está definitivamente no meio. Para mim, uma das histórias que eu acho mais comovente é a história dela, porque ela é uma menina. Ela tem 16 anos e está apenas tentando ser uma adolescente normal. Ela tem talento nesse esporte e dedica horas e horas e horas de sua vida nele. Ela viu sua irmã mais velha ser ótima e também e a viu falhar terrivelmente. Mas fora do esporte, ela também vive com essas duas e as conhece de dentro para fora, e provavelmente não é o melhor ambiente para ela. Ela não tem outra saída além de patinar, e acho que Kat se sente muito protetora por ela ter passado por isso também. Ela sabe como é ter a patinação como seu mundo e ter poder sobre sua mãe. Eu não tenho irmãos, mas quando conheci Willow, meio que nos cansamos como irmãs, e ela agora é minha irmã, quer ela goste ou não. Eu me tornei super protetora durante as filmagens, quase instintivamente. Eu sempre me certificaria de que ela estivesse bebendo água o suficiente, comendo, dormindo bem, e que ela estivesse confortável com todos ao seu redor e ninguém a estivesse perturbando. Eu tenho esse desejo de apenas querer cuidar dela, porque eu me via nela quando tinha 18 anos nos meus primeiros sets de filmagem e navegando na loucura disso. Acho que Kat também se sente assim com Serena. Ela é protetora dela, mas uma irmã de 16 anos é provavelmente muito chata.

Que tipo de treinamento você fez e o quanto vemos de você no gelo?
Comecei, mas no nível mais baixo possível. Quero dizer, eu era a pessoa que diria: “Oh, eu quero patinar no mercado de Camden.” E depois passar o tempo todo segurando as barreiras e movendo-se no ritmo de um caracol ao redor da pista. Então, eu tenho um longo caminho a percorrer. Mas eu tinha um treinador incrível aqui em Londres, com quem fazia uma hora todos os dias por algumas semanas antes de viajar para o Canadá para iniciar a pré-produção. Ela basicamente me colocou em pé com dois pés no meio da pista. Então, quando cheguei ao Canadá, tivemos três semanas de pré-produção e uma programação de skate muito intensa. Fazíamos de quatro a seis horas por dia na pista de gelo com a treinadora Sarah Kawahara, que é incrível. Ela fez Eu, Tonya e A Glória dos Campeões. Ela é o tipo de pessoa certa para isso. Ela realmente só me ajudou a me concentrar nos meus medos. Eu sou uma daquelas pessoas que não gosta de fazer algo se não é bom nisso, porque fico muito insegura de que todo mundo vá rir de mim. Ela meio que me fez sair da minha própria cabeça e me concentrar. Foi ótimo trabalhar com Evan [Roderick] também, porque ele já havia patinado antes. Ele jogou hóquei e agora estou aprendendo que todo canadense sabe instintivamente patinar. Mas ele realmente me ajudou e foi muito paciente comigo. Fizemos muito treinamento antes. Na verdade, eu desmoronei o arco nos calcanhares durante o treinamento porque tenho articulações hipermóveis e não sabia porque estávamos fazendo tantas horas e eu estava me esforçando tanto que minha mentalidade era como: “O que você está fazendo? Isso não é normal.” Então eu tive que superar isso. Mas a produção foi realmente muito boa com isso e acabamos de treinar bastante.

Falando em Evan, há a dinâmica de Justin de tudo. Kat decide voltar ao gelo para patinar em dupla. O que você pode dizer sobre a dinâmica deles enquanto eles trabalham juntos ao longo da temporada?
Eles se conhecem porque treinam na mesma pista. Eu acho que Justin tem um pouco de reputação. Ele é o tipo desse cara, você revira os olhos e o vê rindo com os caras. Lentamente, percebemos que a patinação é realmente importante para ele. Eu acho que Kat reconhece isso. Há um momento decisivo em que ela sabe que ele é realmente bom e que ele também tem algo especial. Eles podem não fazer sentido no papel, mas algo acontece quando patinam juntos, quando trabalham juntos. Isso é o que há de tão especial na patinação em dupla. É essencialmente como um casamento. Você está treinando todos os dias com alguém. Você está passando por altos e baixos com essa pessoa. Você precisa ter um tipo de comunicação tácita, uma maneira de se entender completamente. Kat está tentando construir isso. Ela realmente quer ir para lá e, a princípio, Justin não está tão interessado em construir isso. Ele gosta de manter as pessoas à distância. À medida que progridem, começamos a aprender o porquê. Eu acho que a história é realmente adorável.

Matéria: Hollywood Life | Tradução e adaptação: Equipe Kaya Scodelario Brasil

Muita coisa aconteceu no último episódio do Spinning Out, mas o final deixou todos nós à beira de nossos assentos. Kat e Justin haviam acabado de se reconciliar e saíram para o gelo para começar a patinar. Quando eles estão prestes a começar sua rotina de Romeu e Julieta, é aí que Spinning Out termina. Os fãs não têm ideia de como esses dois patinadores se saem em sua busca pelas Olimpíadas. O HollywoodLife conversou EXCLUSIVAMENTE com Kaya Scodelario sobre o final e ela revelou que não tem ideia de como vai ser a performance de Kat e Justin. “Eu implorei ao showrunner para nos contar,” disse Kaya. “Evan e eu pensamos: ‘Conte-nos o que aconteceu’. Porque sentimos como se tivéssemos feito todo esse treinamento pesado e nos esforçamos, era quase como se eu e Evan estivéssemos participando de verdade da competição e realmente queríamos saber se vencemos ou não. Mas Sam não nos contou. Eu acho que é bem legal porque, naquele momento final, quando ela olha para a mãe e para Serena, ela está canalizando tudo o que aconteceu, tudo o que a levou a esse ponto. Penso para mim pessoalmente, o segundo em que ela entra na rotina é a vitória para ela. Mas eu realmente quero descobrir se vencemos ou não.”

Pouco antes da patinação livre, Kat diz a Justin que ela realmente o ama e tudo sobre o amor deles é real. A história de amor deles floresceu ao longo da temporada e eles terminaram a temporada mais forte do que nunca. Assim como a maioria dos fãs de Spinning Out, Kaya é totalmente uma amante de Kat e Justin. “Eu acho que os dois personagens progridem tanto por causa um do outro,” continuou Kaya. “Para Kat, é muito mais complicado porque ela está lidando com suas lutas de saúde mental e suas emoções. Ela tem que ter um momento para ver se o que ela sente por ele é real. Mas eu acredito que quando ela percebe e o avisa, ela sabe que se sente segura perto dele, esse é o momento mais genuíno que ela tem em todo a série. Eu acho que eles são bons um para o outro. Eu acho que o personagem de Justin se desenvolve tão bem por causa dela. Ele é capaz de se abrir, é capaz de amar, é capaz de deixar de ser o garoto mau. Eu realmente o amo como casal.”

Para interpretar Kat, Kaya não precisava apenas aprender a patinar no gelo, ela tinha que se preparar para interpretar alguém com transtorno bipolar. Este não é um assunto desconhecido para Kaya, mas ela queria ter certeza de que retratava alguém vivendo com bipolaridade da maneira certa. “Bipolar, em particular, lidei com o crescimento muito próximo e é algo sobre o qual sempre fui muito particular,” disse Kaya. “Não tenho muita certeza do porquê, mas nem sempre falei sobre isso e não quis contar nenhuma história que envolva saúde mental, porque sempre senti que não a estavam retratando honestamente, e foi desrespeitoso com as pessoas que eu amo que lutam com isso. Com o Spinning Out, conversei com Sam [Stratton] sobre o desenvolvimento e as razões. Eu pude perceber imediatamente que eles fizeram suas pesquisas e isso foi a coisa mais importante para mim.”

Kaya admitiu que leu “tantos roteiros que lidam com saúde mental e bipolaridade particularmente mal”. No entanto, Spinning Out era diferente. “Todo sintoma, toda emoção que Kat sente ou experimenta junto com Carol, eu já vi em primeira mão,” continuou Kaya. “Eu fiz muitas pesquisas com uma instituição de caridade chamada MIND que trabalha em saúde mental. Já trabalhei com eles em projetos anteriores. Fui falar com os terapeutas dos membros da minha família e discuti com eles porque queria que fosse uma coisa boa, se isso faz sentido. Eu quero que o assunto seja que possamos conversar e retratá-lo. Vamos ter essa conversa. Vamos começar esse diálogo.”

Além disso, Kaya também leu muitos blogs e assistiu a vídeos de ex-patinadores no YouTube para “tentar entender o lado sombrio do mundo da patinação”. Um aspecto importante da jornada de Kat é lidar com o TEPT e superar seus medos após uma lesão grave. . O que vemos nas Olimpíadas são todos sorrisos e brilhos, mas a verdade é que é muito mais sombrio do que isso,” disse Kaya. “Muitos patinadores sofreram graves problemas de saúde mental por causa do treinamento ou dos treinadores ou por várias outras razões. Mas eu fiz muita pesquisa para colocar tudo junto. Então, o tipo de etapa final era garantir que eu não fosse acionado, por isso tive minha terapeuta à mão. Ela me ligaria, eu ligaria para ela. Eu tive meu marido comigo e meu melhor amigo. Quando chegava em casa depois de um longo dia, ela me servia uma taça de vinho e conversávamos. Ela falava sobre trabalho, mas depois falávamos sobre sua vida amorosa ou com quem ela se relacionava no Tinder e esse tipo de coisa boba que me ajudou a voltar a ser eu mesma.”

Spinning Out ainda não foi renovado para a segunda temporada pela Netflix, mas Kaya tem idéias do que ela gostaria de ver em futuros episódios. “Eu meio que quero continuar seguindo Kat e Justin, e eu adoraria ver o tipo de histórias entre Kat e Serena se desenvolverem mais porque eu amo esse relacionamento na série,” disse Kaya. “Eu acho tão precioso. Eu adoraria um pouco mais disso.”

Não deixe de assistir Spinning Out. Já disponível na Netflix!

Matéria: Hollywood Life | Tradução e adaptação: Equipe Kaya Scodelario News

Predadores Assassinos (Crawl) é o novo filme de Alexander Aja e surpreendeu à todos quando foi lançado nas telinhas do cinema. Com Kaya Scodelario (Skins e Maze Runner) lutando contra crocodilos, o longa conquistou corações e atingiu a bilheteria de $90M mundialmente.

O NFA (National Film Awards) recentemente divulgou a lista de indicados e Kaya Scodelario, estrela de Predadores Assassinos, foi indicada pelo seu papel como Haley. 

Saiba como votar na categoria “Melhor Atriz 2019”:

A votação oficialmente começou no dia 21/10/19 e vai até o dia 21/11/19 com os vencedores de cada categoria anunciada pelo NFA, cuja cerimônia irá acontecer no dia 3 de dezembro de 2019.

1. Entre no site www.nationalfilmandtvawards.com

2. Faça seu registo (somente é preciso um username, senha e e-mail)

3. Após o registro, vá para a aba “voting” ou clique no link a seguir www.nationalfilmandtvawards.com/voting

4. Procure pela categoria da Kaya

5. Envie o voto

Infelizmente, só podemos votar uma vez em cada registro. Caso queira votar mais vezes, repita o processo com dados diferentes na etapa de se registrar.

PORTUGUÊS

Com dois filmes, uma série da Netflix e sendo um novo rosto da Cartier, Kaya Scodelario já tem uma longa carreira a frente e ela não para por aí. 

Na suíte do Ritz, Kaya Scodelario combina um pouco entre as molduras e poltronas em cetim azul: algo em seu gesto e em seu chapéu quase aristocráticos se misturam muito bem com a decoração, mas seu olhar diz outra coisa. Bruto, quase severo. Sem línguas.

Desde a série britânica Skins, onde ela interpreta Efy, a adolescente nervosa que fascinou todas as meninas de sua idade, Kaya Scodelario sempre está onde não esperamos. Catherine em uma adaptação independente de O Morro dos Ventos Uivantes (2011), heroína rebelde da Disney nos últimos Piratas do Caribe (2017), sobrevivente na saga Maze Runner (2018). Com apenas 27 anos, a bela anglo-brasileira já tem 16 longas-metragens, um casamento e um filho, e ela não planeja desacelerar. Este ano, ela move o cursor novamente com Ted Bundy: A Irresistível Face do Mal, a cinebiografia de Joe Berlinger, sobre o serial killer Ted Bundy, que estreou na Netflix. Ela interpreta Carol Ann Boone, a última esposa do assassino antes de ele ser executado em 1989 na Flórida, e ficou grávida no corredor da morte. Para se preparar para o papel, Kaya assistiu as raras entrevistas com Carol Ann: “Ela desapareceu voluntariamente após a execução do marido, nunca pude falar com ela. É complicado porque eu tinha uma responsabilidade com ela, eu tinha que representá-la honestamente. Com os arquivos, eu pude aprender seus gestos e entender sua voz.” Ela também conheceu várias mulheres apaixonadas por criminosos enquanto estavam atrás das grades ” Eles sempre me fascinaram, há algo tão humano lá dentro.”

Ao assumir esse papel, a atriz queria fazer algo diferente. Ainda mais surpreendente: vê-la no elenco do filme de terror Predadores Assassinos, o novo OVNI de Alexandre Aja, nos cinemas em julho, onde ela confronta jacarés em uma casa perdida na Flórida: “Queria que meu filho visse um filme onde eu não beijo ninguém, onde eu não sou a mulher nem a namorada de alguém e sim onde eu luto.” A atriz tem coisas a dizer sobre o lugar das mulheres em Hollywood, e ela pode ser uma das que mudarão o jogo no futuro. “Eu quero produzir. Sempre foi meu sonho. Conheço tantas mulheres que têm as idéias, o talento e as habilidades, mas a quem fechamos as portas. Eu gostaria de trabalhar com elas, criar algo de A a Z.”

Kaya Scodelario tem as idéias no lugar, os princípios também. Até agora, ela nunca havia emprestado oficialmente sua imagem a uma marca. Este ano, ela finalmente decide se envolver com Cartier. “Eu queria ter certeza de aderir à ética da empresa. Acho muito importante.” Após o lançamento de Clash em Paris, a nova linha de joias da Cartier que ela encarna, ela volta a treinar para patinar no gelo em Spinning Out, uma nova série da Netflix onde ela interpreta uma jovem patinadora artística.

É a primeira vez em quase dez anos que ela volta a fazer uma série. “As coisas mudaram muito. Eu estava bastante preocupado com o ritmo das filmagens, mas finalmente gostei muito de ter entrado. Tenho a sorte de ser bastante intuitiva.” Ela deve isso à Skins em 2007, onde interpretava uma adolescente. Um exercício de dois gumes para uma menina de 14 anos. “Eu vivi isso por um longo tempo. Foi o caso de todos os atores. Interpretamos adolescentes de nossas idades que se apaixonaram e ficaram com o coração partido e vivemos a mesma coisa. Provavelmente foi um pouco terapêutico. De qualquer forma, isso me ajudou a desenvolver um jogo muito frontal.” Desde então, a equipe Skins assumiu a liderança. Nicholas Hoult tornou-se
o Fera dos X-Men, Dev Patel encadeou os prêmios, incluindo Quem Quer Ser um Milionário? e Lion: Uma Jornada Para Casa, e Daniel Kaluuya está em toda parte: Black Mirror, Get Out, Pantera Negra. Acreditar que dominar o papel do adolescente comum pode levar muito longe. E ensinar fortes valores humanos. Dez anos depois, eles conversam todos os dias e se reúnem o mais rápido possível. Manter os pés no chão em Hollywood nunca foi fácil, Kaya Scodelario certamente entende.

ENGLISH

Featuring two films, a Netflix series and a new Cartier face, Kaya Scodelario already has a long career behind her and does not stop there. Meeting between two planes and an ice skating class.

In this suite of the Ritz, Kaya Scodelario, a little detuned among the moldings and armchairs in blue satin: something in his gestures and in hers port of almost aristocratic head blends very well with the decor, but his look says something else . Brute, almost severe. Without language of wood.

Since the English series Skins, where she played Efy, the nervous teenager who fascinated all girls of her age, Kaya Scodelario is still where we do not expect. Catherine in an underground adaptation of Wuthering Heights (2011), Disney rebel heroine in the last Pirates of the Caribbean (2017), survivor torn in the saga The Maze Runner (2018). At just 27, the beautiful Anglo-Brazilian already has 16 feature films, a marriage and a child on the clock, and she has not planned to slow down. This year, she moves the cursor again with Extremely Wicked Shockingly Evil and Vile, Joe Berlinger’s biopic, on serial killer Ted Bundy, who is just coming out on Netflix. She plays Carol Ann Boone, the murderer’s last wife before he was executed in 1989 in Florida, and became pregnant while on death row. To prepare for the role, Kaya sees rare interviews with Carol Ann: “She voluntarily disappeared after her husband’s execution, I was never able to talk to her. It’s complicated because I had a responsibility to her, I had to represent her honestly. With the archives, I could learn her gestures and understand her voice.” She also met several women who were infatuated with criminals while they were behind bars: “They have always fascinated me, there is something so human in there.”

In taking on this role, the actress wanted to do something different. Even more surprising: see her at the casting of the horror film Crawl, Alexandre Aja’s new UFO, in theaters in July, where she confronts alligators in a lost house in Florida: “I wanted my son to see a movie where I do not kiss anyone, where I am neither the woman nor the girlfriend of someone. And where I fight.” The actress has things to say about the place of women in Hollywood, and she could be one of those who will change the game in the future. “I want to produce. It has always been my dream. I meet so many women who have the ideas, the talent and the abilities, but to whom we close the doors. I would like to work with them, build something from A to Z.”

Kaya Scodelario has the ideas in place, the principles as well. Until now, she had never officially lent her image to a brand. This year, she finally chooses to engage with Cartier. “I wanted to be sure to adhere to the ethics of the company. I find it very important.” After the launch of Clash in Paris, the new line of Cartier jewelery that she embodies, she goes back to train for the ice skates for Spinning Out, a new Netflix series where she plays a young figure skater.

This is the first time in almost ten years that it returns to the serial format. “Things have changed a lot. I was quite worried about the pace of filming but finally I really enjoyed being thrown right in. I’m lucky enough to have a fairly intuitive game.” She owes it to Skins in 2007, where she was playing a teenager. A double-edged exercise for a 14-year-old girl. “I have lived through it for a long time. It was the case of all the actors. We played teens of our ages who fell in love and were heartbroken and we lived the same thing. It was probably a little therapeutic. In any case, it helped me develop a very frontal game.” Since then, the Skins team has taken the lead. Nicholas Hoult became the Beast of the X-Men, Dev Patel has chained the awards, including Slumdog Millionaire and Lion, and Daniel Kaluuya is everywhere: Black Mirror, Get Out, Black Panther. To believe that mastering the role of the average teenager can lead very far. And teach strong human values. Ten years later, they talk to each other every day and get together as soon as possible. Keeping feet on the ground in Hollywood has never been easy, Kaya Scodelario has certainly understood it.

Matéria: L’Officiel | Tradução e adaptação em ambos os idiomas: Equipe Kaya Scodelario News
Article: L’Officiel | Translation and adaptation in both languages: The Kaya Scodelario News Team

Kaya Scodelario assinou o contrato para o papel principal no próximo drama da Netflix Spinning Out.

Scodelario assume o papel que anteriormente era da Emma Roberts, que desistiu em Outubro. Ela estrela como Kat Baker, a promissora patinadora de alto-nível, que está prestes a entregar seus patins depois de uma desastrosa queda que a fez sair da competição. Quando Kat vê uma oportunidade para continuar sua carreira como uma patinadora de dupla com um talentoso bad-boy como parceiro, ela arrisca expor um segredo fielmente protegido que poderia revelar sua vida toda. Dentro e fora do gelo, Kat e seu novo parceiro vão encarar probabilidades reduzidas, machucados no corpo e na alma, sacrifício financeiro e até mesmo um possível colapso mental no caminho de realizar o sonho Olímpico. 

Como previamente anunciado, a Netflix pediu 10 episódios.

A série foi criada por Samantha Stratton, que vai servir como uma produtora executiva e co-showrunner ao lado de Lara Olsen. Tory Tunnel e Joby Harold da SafeHouse Pictures vão também executivamente produzir, com Matt Schwartz da SafeHouse co-executivamente produzindo.

Scodelario começou a atuar quando ela foi escalada para ser Effy Stonem na popular série britânica Skins. Ela estrelou como personagem feminina principal em Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar em 2017 e também é conhecida pelos seus papéis na franquia de The Maze RunnerFúria de Titãs, O Morro dos Ventos Uivantes, Twenty8k e Na Toca do Tigre. Ela é representada pelo CAA, o Curtis Brown Group, e Bloom Hergott.



Site status

Nome: Kaya Scodelario Brasil
Sigla: KSBR
Online desde: 26/01/2020
Webmiss: Beatriz Frazão
Hospedagem: Flaunt.nu
Design: Uni Design

|

Twitter da Kaya

Projetos

The Pale Horse
Status: Disponível na BBC One
Personagem: Hermia
Lançamento: 2020

Spinning Out
Status: Disponível na Netflix
Personagem: Kat Baker
Lançamento: 2020

 

Resident Evil
Status: Pós-Produção
Personagem: Claire Redfield
Lançamento: Setembro, 2021


Parceiros

Kaya Scodelario BrasilTodos os direitos reservados